terça-feira, 28 de abril de 2009

Tempo de amor

"Ah, que não seja meu o mundo onde o amor morreu"


- Eu vou virar biscate, Camilinha. Fui bacana, honesto, sincero, íntegro e só me fodi. Foderei com a vida alheia, então. rsrsrsrsrsr

- Eu passei mais de um ano toda preocupada com uma. Preocupada em como levar essa historia, porque, no fim, não tinha muita história e eu só queria que ela continuasse minha amiga...E aí??? No que deu??? Tomei no c*! Tive a maior paciência com a outra. Passei três anos vendo, basicamente, só quando ela queria me ver. Dando colo, ombro, sexo, tudo que ela precisava quando me procurava. Pra quê??? Olha aí no que deu! Aí, eu começo a me lembrar, de que quando eu era mega filha da puta, quando eu vivia na pegação desenfreada, quando eu pegava três ao mesmo tempo, as três viviam apaixonadas por mim. Esse mundo não é nada coerente, amigo.



O que salva é pensar que a vida vai passando aos pouquinhos e que, também aos pouquinhos, a gente vai criando juízo, criando preguiça, criando calos enormes que nos fazem pensar que nada é nem oito, nem oitenta. Ainda gosto de me divertir, mas pago o que for pela minha tranqüilidade. E ando querendo casar.




"Se você não se distrai, o amor não chega
A sua música não toca
O acaso vira espera e sufoca
A alegria vira ansiedade
E quebra o encanto doce
De te surpreender de verdade"
(Zelia Duncan)

2 comentários:

um tanto. disse...

quem sabe se você parar de separar a diversão da tranquilidade?

Srta. Damasceno disse...

Ando aprendendo a me divertir de outras maneiras....bem mais tranquilas