segunda-feira, 13 de abril de 2009

O mundo é um moinho

Vai triturar teus sonhos tão mesquinhos


- Chegou mais cedo hoje?
- Vim embora.
- Aconteceu alguma coisa?
- Coisas acontecem todos os dias.
- Quer conversar?
- Não.
- Boa noite.
- Boa noite.

- Na verdade quero.
- Pode falar.
- Até onde você iria por amor?
- Como assim?
- O que você faria por alguém?
- Difícil dizer assim, sem analisar uma situação.
- É que eu acho que não faria muito.
- Talvez porque não ame de verdade.
- Mesmo amando. Meu muito é pouco pra muita gente.
- Essas coisas são relativas. Você se sente mal com isso?
- Às vezes. Se vejo que sofrem por minha causa. É incômodo fazer alguém sofrer, mas não chega a me doer... Sabe, essas coisas que acontecem todos os dias, me deixam cada vez mais frio e distante. Emotivamente frio e distante.



"Sou inquieta, áspera
E desesperançada
Embora amor dentro de mim eu tenha

Só que eu não sei usar amor

Às vezes arranha

Feito farpa"

(Clarisse Lispector/ Cazuza)

2 comentários:

um tanto. disse...

tô tão travada pra escrever que nem consigo comentar mais certas coisas que leio.
acho que o cazuza só musicou, na verdade. clarice que escreveu.

Srta. Damasceno disse...

É..soube disso depois...