sábado, 2 de julho de 2011

Eles crescem

- Pastelzinho de queijo ou de carne, Arthur?
- Queijo. E uma soda.
- Eu quero queijo também e uma Brahma.
- Mãe... e esse negócio aí de liberação da maconha? Você é a favor ou contra?
- (aquela engolida seca) Por quê, Arthur?
- Eu vi uma entrevista do Lobão falando disso.
- Filho, as pessoas só não querem mais ficar dando dinheiro pra bandido. Se legaliza, vira uma mercadoria, com impostos, locais onde você pode comprar, o governo vai saber exatamente quem compra e quem vende. Essas coisas.
- Então você é a favor?
- Arthur, existem outras drogas que são legalizadas e não há nenhum controle sobre elas. Bebidas alcoólicas, cigarro... E fazem muito mal. As pessoas morrem por causa delas todos os dias. Não acho que deveria vender maconha na padaria, por exemplo, como acho que não deveria vender cigarro também, entende? E acho que os impostos deveriam ser tão ou mais pesados, para que não seja barato comprar, para que o dinheiro recolhido pelo governo vá para gastos com saúde, educação, segurança pública, essas coisas.
- É mãe, o importante é para onde vai esse dinheiro, né? Porque é errado ficar dando dinheiro pra bandido.
- É errado e ninguém quer.
- Mas se os bandidos não venderem a maconha eles vão vender o quê?
- Eles vão arrumar alguma coisa errada pra fazer, mas provavelmente vai diminuir muito a quantidade de dinheiro que eles ganham. Com menos dinheiro, eles compram menos armas, ficam menos fortes e por aí vai. 
- Aí fica mais fácil da polícia prender eles, né?
- Supostamente sim. 
- É... o importante é para onde vai esse dinheiro.

Nossas conversas têm evoluído a passos largos. E ele só tem nove anos ainda.

2 comentários:

peron disse...

hahahaha genial! esse menino é genial! saudades.

Vana disse...

ahahaha
mto bom esse menino!!! to achando q ele puxou a mãe... rsrs :)